terça-feira, 12 de Outubro de 2010

Distribuição da radiação solar e a oportunidade de facturar.


A intensidade da radiação solar fora da atmosfera, depende da distância entre o Sol e a Terra. Durante o decorrer do ano, pode variar entre 1,47 x 108 km e 1,52 x 108 km. Devido a este facto, a radiância varia entre 1.325 W/m2 e 1.412 W/m2. O valor médio é designado por constante solar, EO = 1.367 W/m².
No entanto, apenas uma parte da quantidade total da radiação solar atinge a superfície terrestre. A atmosfera reduz a radiação solar através da reflexão, absorção (ozono, vapor de água, oxigénio, dióxido de carbono) e dispersão (partículas de pó, poluição). O nível de radiância na Terra atinge um total aproximado de 1.000 W/m2 ao meio-dia, em boas condições climatéricas, independentemente da localização. Ao adicionar a quantidade total da radiação solar que incide na superfície terrestre durante o período de um ano, obtém-se a irradiação global anual, medida em kWh/m2. Esta parâmetro varia de um modo significativo com as regiões A irradiação solar, em algumas regiões situadas perto do Equador, excede 2.300 kWh/m2 por ano, enquanto que no sul da Europa não deverá exceder os 1.900 kWh/m2. Em Portugal, este valor poderá situar-se entre os 1.300 kWh/m2 e os 1.800 kWh/m2. São notáveis as diferenças sazonais existentes por toda a Europa, quando se observa a relação entre a radiação solar para os períodos de Verão e de Inverno.

Com toda esta energia a chegar a toda a hora resta-nos algumas alternativas no nosso caso, assim vou enunciar duas delas.

Um sistema fotovoltaico com ligação à rede que é composto, normalmente, pelos seguintes componentes:
1. Gerador fotovoltaico (vários módulos fotovoltaicos dispostos em série e em paralelo, com estruturas de suporte e de montagem)
2. Caixa de junção (equipada com dispositivos de protecção e interruptor de corte principal DC)
3. Cabos AC-DC
4. Inversor
5. Mecanismo de protecção e aparelho de medida Os componentes individuais serão descritos pormenorizadamente no capítulo

De início, o local preferencial para a instalação técnica fotovoltaica, foi o topo dos telhados dos edifícios. Posteriormente, a integração dos sistemas fotovoltaicos em diferentes tipos de prédios (apartamentos, escolas, centros comerciais), tem vindo a ganhar um espaço cada vez maior. Paralelamente, a utilização da tecnologia fotovoltaica em diferentes formas de construção, como por exemplo nos painéis anti-ruído das auto-estradas, está também a crescer de forma acentuada. Um outro tipo de projecto, também em franca expansão, refere-se aos grandes projectos fotovoltaicos que são construídos à superfície do solo, formando grandes centrais fotovoltaicas ligadas à rede. Este tipo de projecto fotovoltaico tem vindo a ser promovido por empresas operadoras do sector eléctrico.

Os sistemas fotovoltaicos autónomos. Trata-se do aproveitamento da energia solar que necessita de ser ajustado à procura energética. Uma vez que a energia produzida não corresponde (na maior parte das vezes) à procura pontual de energia de um consumidor concreto, torna-se obrigatório considerar um sistema de armazenamento (baterias) e meios de apoio complementares de produção de energia (sistemas híbridos).
No caso dos sistemas com ligação à rede, a rede pública de distribuição de electricidade opera como um acumulador de energia eléctrica. Contrastando com o caso Português, em alguns países, como é o caso da Alemanha, a maioria dos sistemas fotovoltaicos encontram-se ligados à rede. Nestes sistemas, a totalidade da energia produzida é injectada na rede pública de distribuição de energia eléctrica, como resultado da receita adicional que é conseguida pelo maior valor que é pago, por cada unidade de energia eléctrica produzida por sistemas fotovoltaicos. Ainda no caso da Alemanha, há previsões no sentido de que, no ano 2050, os sistemas fotovoltaicos possam ser responsáveis por uma fatia significativa da energia eléctrica fornecida (cerca de um terço). Nos próximos anos, será de prever que os sistemas fotovoltaicos sejam progressivamente instalados na Europa. A longo prazo, será mesmo de prever um aumento generalizado da sua procura.
Paralelamente, os sistemas autónomos assumirão um papel de grande relevo nos países em vias de desenvolvimento. A indústria fotovoltaica local poderá ter um papel chave na crescente implementação deste tipo de sistemas domésticos.
Por isso no futuro resta-nos quem sabe olhar com olhos de ver estas duas perspectivas como oportunidade de negócio.
Até breve Emanuel santos

2 comentários:

  1. Boa, caro Emanuel por mais uma construtiva e ilucidativa forma de podermos saber do nosso grande potencial solar. É só o usarmos em nosso proveito.

    Ricardo Coelho

    ResponderEliminar
  2. Boa Emanuel, como sempre acho que estamos no caminho certo, é uma oportunidade com futuro. Na minha opinião vão vingar os sistemas hibrídos,fotovoltaícos em conjunto com eólicos. Os dois sistemas em conjunto dão uma maior rentabilidade e autonomia de funcionamento à produção electrica.RJ

    ResponderEliminar